Genulândia - "Vivam os Joelhos"
 Página Principal > Patologias e Terapêuticas Ortopédicas > TRATAMENTO DA INSTABILIDADE ROTULIANA
TRATAMENTO DA INSTABILIDADE ROTULIANA

 

Não existe uma terapêutica específica para cada uma das várias formas de instabilidade, mas existem sim vários procedimentos que são realizados tanto sobre a estrutura óssea (tíbia e/ou fémur), como sobre os tecidos moles, em conjunto ou isoladamente.

Dado que esta patologia se apresenta em jovens em fase de crescimento, o tratamento conservador é sempre a primeira escolha, independentemente do grau de instabilidade. Este deverá concentrar-se no fortalecimento do vasto interno (componente interno do quadricipete), alongamento das estruturas posteriores (ísquio-tibiais), assim como evitar actividades que forcem a rotação externa da perna associada a flexão do joelho.

Se o tratamento conservador não logra reverter ou melhorar o processo, terá então que se ponderar a indicação da cirurgia. Na maioria dos casos, o tratamento cirúrgico está reservado para os casos de instabilidade rotuliana objectiva, mas em principio apenas a ser efectuado depois da fase final de crescimento.

Um dos procedimentos cirúrgicos mais comuns é a “ medialização “ da tuberosidade anterior tíbia (TAT) e que é o procedimento considerado mais eficaz. Está indicado para correcção das situações com o ângulo Q acentuado e quando a TAT está muito lateralizada (TAGT elevada).

A “ plastia do vasto interno ” trata-se de um procedimento em que se procede a uma re-inserção mais distal deste músculo no bordo interno da rótula.

A “ plastia de rebaixamento da rótula ” é utilizada quando o índice de altura da rótula for superior a 1,2 pelo método de Caton-Deschamps. Ao realizar este procedimento deve sempre tentar atingir-se um índice de altura igual a 1 ( AT/AP = 1 ).

A “ trocleoplastia ” é um procedimento com indicações precisas e reservada para as displasias “ major ” da tróclea. Consiste numa osteotomia supero-externa da tróclea femural, com aplicação de enxerto ósseo esponjoso para elevar o condilo femural externo.